Temporário, graças a Deus.

/
11 Comments


    Eu sou temporária. Você também, acredite. Neste planeta, no Universo, na minha vida: somos todos transitivos. Pra onde vamos é subjetivo. Vai depender da sua crença, se a pergunta for filosófica. E só depende de você, se  for mais simples a sua questão. O que importa é que nada, meu amigo, dura para sempre.
    Nem o amor? Não, nem o amor. Para este existem dois caminhos: aquele que leva a outros rumos, outras decisões, outros amores. E aquele que dá em uma rua sem saída, que perto do fim se renova, metamorfo amor curioso.
    Relacionamentos, tampouco são estáticos. Incluindo os familiares. Você, ao sair de casa, experimenta uma nova relação com seus pais. Mais madura, mais saudosa e, por assim dizer, mais saudável. Deixa de ser autoritário para tornar-se mais equivalente, proporcional.
    Suas amizades não serão sempre as mesmas. Novos companheiros virão, velhas companhias poderão se perder pelo caminho. E aqueles que ficarem, nem mesmo estes serão os mesmos. Te darão o prazer de conhecer as diversas formas de uma amizade autêntica, que evolui com o cambiar dos calendários e nem assim te deixa na mão.
    Tampouco você se reconhecerá. Se tiver olhar crítico, será capaz de acompanhar sua mutação. E você mudará milhares de vezes, em cada poucos milímetros. Seus temores, suas preferências, suas decisões, afinidades, sua aparência - transitórios, transitivos. O mundo a sua volta mudará sem perguntar a sua opinião.
    Portanto, prepare-se para tudo aquilo que você desconhece ser. Estará, assim, saudando sua própria sorte. Então, tome por teu este pequeno conselho. Cumprimente as várias possibilidades. Corteje as oportunidades. Peça um drink para o seu destino. E brindemos, juntos, o provisório!





You may also like

11 comentários:

  1. Oi, Vivian!

    Sou da mesma opinião. Nada é eterno.

    Beijos da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aí, Luz. Tudo uma hora muda, se transforma!
      Beijão

      Excluir
  2. Que texto incrível! Nunca tinha parado pra pensar assim, nessa efemeridade das coisas...

    http://florescerepalavrear.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Estava pensado exatamente nisso, há uns dez minutos atrás!!

    Gostei muito do texto, tudo muda, o importante é aceitar a mudança ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aí, Marina! Tudo muda, o jeito é a gente se adaptar!
      Bjão

      Excluir
  4. Eu aceito isso por verdade. Sinto que estou mudando agora mesmo, enquanto te leio e comento o seu texto, seu pensamento. Tudo muda. Todos temporários somos. Fato. Vivian, a propósito, aceite meu convite e venha ver o texto de número 292 de minha literatura amadora. >>> HEMATÓFAGO no http://jefhcardoso.blogspot.com lhe espera. Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Excelente texto!
    Tenho uma 'filosofia': a gente muda a todo tempo, literalmente - a cada segundo, minuto, hora, dia, semana, mês, ano... células morrem, outras renascem, fazemos mais sinapses (e aprendemos), esquecemos coisas menos relevantes, consolidamos memórias importantes. E assim, a gente muda, a gente envelhece, a gente amadurece.
    E cada mudança, por menor que seja, é importante para o nosso crescimento pessoal. Por isso é importante não 'aceitar', mas se adaptar às mudanças do outro, às do mundo e às próprias.

    Gostei do seu cantinho e voltarei aqui mais vezes.

    Sorrisos,

    Raissa
    http://itslikedreamersdo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Que interessante texto. E é assim mesmo como a vida é conosco! A experiência ensina e machuca ao mesmo tempo! Parabéns pelo conteúdo.

    ResponderExcluir