1 tema, 2 ideias: Erros

/
5 Comments

Que criança nunca inventou pra mãe uma dorzinha estranha, bem aqui, só pra não levantar cedo pra ir pra escola? Quem nunca jurou pegar o amigo na saída e foi pra casa mais cedo, por outro caminho e faltou o dia seguinte? Quem nunca procurou um tesouro perdido no jardim? Que criança nunca ralou o joelho, bateu a canela, arrancou a unha do dedão, quebrou um osso ou engoliu uma moeda (tudo isso tentando provar pra um amigo do que era capaz)? Quem no mundo nunca quis ser feliz pra sempre?

Quem nunca escreveu o seu nome junto ao de outra pessoa dentro de um coração (e geralmente na última folha do caderno)? Quem nunca tropeçou e fingiu que estava apenas correndo? Quem nunca desejou emagrecer os teimosos dois quilinhos? Quem, nessa vida, nunca fez escolhas erradas?

O problema é que, muitas vezes quando crescemos, nos envergonhamos das coisas que fizeram parte das nossas vidas algum dia na história. E, na maioria das vezes, todos nós vivemos as mesmas coisas embaraçosas - eu, você, nossos avós e o cara da casa ao lado, todos nós tivemos direito à merda e ao vexame. No entanto, tenho visto muita gente com receio de dizer que errou, que apostou em um plano que não deu certo, que já se machucou, enfim, que é, simplesmente isso: gente.

Não me orgulho de muitas coisas que fiz e não tenho revés algum com o que passou. Na verdade, os vejo como um motivo pra dar muita risada. Eu já tive vergonha de andar com a minha mãe, por me achar uma adulta de doze anos. E me arrependo. Já quebrei a perna dançando É o Tchan e depois de quatorze anos ainda sou motivo de piada. Meus pais tinham que me levar aos shows de rock porque eu não tinha permissão pra ir sozinha e meus amigos evitavam ficar perto de mim. Já joguei muitas fichas em amores eternos e me decepcionei. Me decepcionei diversas vezes e tenho a unânime certeza de que ainda não foi o bastante.
Perfeição nunca foi motivo de orgulho, pra mim. Gosto mesmo é do que é real, do que tem defeitos. Essa é a beleza de estarmos aqui: somos errôneos. E nem mesmo originais, somos apenas cópias de um mundo que se repete de formas distintas. Eu quero a sorte de poder tentar.

Quem nunca riu dos próprios erros, ainda não está pronto pra acertar.


--

Vamos ver o que a linda da Soraya escreveu?


You may also like

5 comentários:

  1. Oi Vivian.

    Adoro quando você e a Sol fazem esta coluna. rs
    os textos são ótimos.
    Sim. quem nunca??? ok ai tem coisas que nunca fiz,mas....
    Nossa escolhas dizem muito sobre quem somos e sobre nosso futuro.
    Errar?? sempre é tempo, sempre haverá novos erros a serem cometidos, novas escolhas e rumos diferentes.

    Parabéns pelo texto.

    Beijos da Fê
    http://fernandabizerra.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto! Acho que nós somos feitos mais de erros do que de acertos :)

    ResponderExcluir
  3. Mulher, você quebrou a perna dançando É o Tchan, é?
    Que tenso. haha

    Eu já paguei tanto mico na vida e apesar de o friozinho na barriga, mais conhecido como vergonha, surgir quando me lembro de certas coisas que já fiz, acho que faria tudo de novo. Afinal, os micos do passado também contribuem para que nos tornemos as pessoas que somos hoje. E a vida é repleta de erros que, por incrível que pareça, muitas vezes nos levam a bons caminhos!

    Viva os micos! \o/

    Beijoo
    Blog Sem Spoiler

    ResponderExcluir
  4. Finalmente consegui ler o seu texto!
    Que lindo e verdadeiro! E a ideia tão diferente da minha rs
    AMO esse projeto... Já falei isso antes? rs
    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir